Representando um papel

Archive for março 2009

Volte

with 2 comments

Uma das coisas que eu sempre quis saber é de onde vem todos os sentimentos e sensações. Isso porque, na minha opinião, se você consegue controlá-los, você controla tudo o que quiser. Se eu disser que tento me entender diariamente, e sem sucesso, não vou estar mentindo. Sempre senti tudo muito forte, do amor ao ódio, da alegria à tristeza e da fome à saciedade. A minha realidade é que nem eu a conheço.

Ser indecisa já não é mais qualidade, defeito ou característica. Descobri que ela é parte intrínseca de mim. Dia após dia, esse ladinho cresce por mais esforço que eu faça. Não saber se vou para direita ou para esquerda, se escolho o preto e o branco, se como arroz ou massa é rotina. Não ter isso é não ter chão, não ter teto e nem sustentação.

Se você quiser, posso mesmo ir com você. Afinal, desde pequena, me falavam que a senhora era muito feia, arrogante, metida e, apesar de tudo, perspicaz. Talvez eu concorde com o perspicaz, você conseguiu me captar em 5 minutos.

Não tenho o que fazer aqui. Meus filhos, a senhora sabe, estão casados. Meu ex-marido…ah, meu ex-marido. Ele está com outra. Outra anos mais jovem. Não sou velha, tenho a cabeça aberta e, apesar de tudo, não entendo como um homem de 69 anos resolve namorar uma de 25. Sim, eu o amo. Nunca o esqueci, um dia eu acreditei que tinha feito com que a sua imagem saísse da minha cabeça, que o seu cheiro saísse do meu corpo e que a minha alma voltasse pra mim. Mas não, até a minha alma o filho-da-puta levou.

Sou feliz, sim. Com os meus 65 anos, tenho a minha aposentadoria, tenho os meus filhos que vem me visitar mensalmente e tenho o jardim. O meu jardim, o meu amor, a minha vida. Aquela rosa ali… Não, não essa. Aquela vermelha com as pétalas abertas! Ela virou a minha confidente e agora eu sei que ela também é a sua.

Flores. Sempre soube que eram suas amigas. Elas escutam as lamúrias de homens e mulheres para te dar todas as informações. E eu não entendo como você pode preferir levar os que têm o coração partido.

Quê? Onde a senhora pensa que vai? Não vire as costas pra mim… não, volte! Por favor… eu paro de falar, paro de chorar…! Por favor… por favor, volte…

Written by Silvia

29/03/2009 at 11:03 PM

Publicado em Sem categoria

O tombo

with one comment

Ela acordou e abriu os olhos rápido demais. Acostumada a ficar alguns bons segundos com as pestanas fechadas, Simone se sentiu violada quando a claridade a pegou em cheio. Teve raiva de si mesma por não ter respeitado a sua rotina, mas tentou fingir que nada havia acontecido.

Foi ao banheiro, tirou seu pijama e ligou o chuveiro. Quando entrou embaixo d’água, o segundo momento assustador do dia: a água estava mais gelada que o último sorvete que havia tomado. O ímpeto foi sair correndo. Porém, ao fazer isso, caiu.

O estrondo foi tão grande que seu cachorro começou a latir. Enquanto isso, ela continuava tentando se levantar enquanto amaldiçoava quem tivesse deixado aquele sabonete no chão.

Na décima tentativa de levantar percebeu que não havia se mexido um milímetro sequer. Ficou assustada. Começou a chorar implorando para que tudo aquilo fosse um sonho enquanto a água gelava ia ficando cada vez mais aconchegante, menos gélida.

Written by Silvia

05/03/2009 at 9:01 PM

Publicado em Sem categoria